Sexta-feira - 23 de Junho de 2017 TELEVENDAS (11) 2618-5411    EMAIL  LOJA VIRTUAL
BUSCA: OK

   EMPRESA LIBRERIA
   HOME
   QUEM SOMOS
   PRODUTOS
   BRINDES PERSONALIZADOS
   PROJETOS ESPECIAIS
   INSTITUCIONAL
   TRABALHE CONOSCO
   CONTATO

   PORTAL GEOGRAFIA
    BIBLIOTECA GRÁTIS
    NOTÍCIAS
    ARTIGOS
    MUNDO
    UNIVERSO
    BRASIL
    MAPAS ESPECÍFICOS
    DICIONÁRIO GEOGRÁFICO
    CURIOSIDADES
    LINKS E RELACIONADOS
    LIVROS GRÁTIS

   NEWSLETTER
Receba periodicamente em seu e-mail as principais notícias sobre geografia e geo-politica gratuitamente.
E-mail:  

   INDIQUE A UM AMIGO
Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:

:: Artigos

BUGIO

Fonte Externa

Conheça um pouco sobre o BUGIO.

foto: Zoológico de Howler Junction, EUA
Há uma história interessante a respeito dos bugios (ou guaribas). Quando o grito matinal desses macacos ecoava pela floresta amazônica, acreditava-se que eles estavam entoando um hino ao sol e que os gritos eram acompanhados por ritos que só os animais conheciam. Contudo, os naturalistas destruíram essa lenda. O bugio foi estudado de perto, em seu próprio meio, e logo se encontrou a razão de tais gritos. Sabe-se atualmente que esses macacos vivem em bandos e que os bandos se comunicam por meio de gritos. Os bugios emitem uma série de sons: uivo, latido, gemidos, etc. Cada som tem um significado: perigo, um filhote perdido, um companheiro ferido, e muitos outros. De onde vem então a história do hino matinal? Como cada bando de bugio tem seu próprio território, os gritos servem para participar aos vizinhos os limites desse território, do qual os estranhos devem manter distância. Quando os dois bandos se encontram, sua hostilidade também é mostrada por meio de gritos. E vence quem gritar mais alto!
Todos os animais do Bioma brasileiro, você encontra no Globo modelo Ambiental, que mostra, também, espécies da fauna e da flora de todo o mundo. O corpo do bugio é forte e maciço. A cabeça, também maciça, nos machos parece ainda maior, devido aos longos pêlos que revestem o queixo, (por isso ele também é conhecido como macaco barbado) e ao grande desenvolvimento do osso hióide, em forma de cápsula, que funciona como caixa de ressonância. A cauda é muito musculosa, com a porção inferior da ponta desprovida de pêlos e dotada de grande sensibilidade. Enrola-se firmemente nos galhos e funciona como um quinto membro, sustentando o corpo por longos períodos de tempo, por exemplo, enquanto o animal se alimenta. Sua coloração varia do preto ao vermelho. Em uma das espécies, encontrada no Brasil central (Alouatta caraya), os machos são completamente negros enquanto que as fêmeas e os filhotes apresentam colorido castanho-oliváceo.
Bugio-negro (Alouatta caraya)
DADOS NOMES COMUNS: Bugio. NOME EM INGLÊS: Red Howler Monkey NOME CIENTÍFICO: Alouatta seniculus OUTROS NOMES: Guariba, barbado bugio e roncador.
Gurariba (Alouatta Fusca)
FILO: Chordata CLASSE: Mammalia ORDEM: Primatas FAMÍLIA: Cebidae DISTRIBUIÇÃO: Ocorrem desde as matas costeiras do sul do México (procure o país no Globo modelo Júnior, nas coordenadas 19.43°N e 99.14°O) até o Chaco e o sudeste brasileiro HABITAT: Uma variedade de ambientes que vai da floresta tropical úmida aos campos cerrados. HÁBITO: Diurno COMPORTAMENTO: Grupo de até 10 indivíduos LONGEVIDADE: 20 anos MATURIDADE: Fêmea - 4 a 5 anos, Macho - 6 anos ÉPOCA REPRODUTIVA: Durante todo o ano GESTAÇÃO: 4 a 5 meses DESMAME: 1,5 a 2 anos N° DE FILHOTES: 1 TAMANHO: até 70 cm de comprimento ALIMENTAÇÃO NA NATUREZA: Folhas e frutas ALIMENTAÇÃO EM CATIVEIRO: Frutas diversas, verduras e iogurte CAUSAS DA EXTINÇÃO: Tráfico de animais. A espécie encontra-se ameaçada de extinção, principalmente devido à destruição de seu hábitat e também à caça indiscriminada. Sua carne e pele são muito apreciados pelos índios e caboclos.
Família de Bugios (Alouatta belzebul), no Parque Nacional da Amazônia, em Itaituba (PA) (foto: Arthur Grosset)
Referência: Saúde Animal
Tecnologia/Formas Pagamento